sexta-feira, 16 de junho de 2017

Winter is coming...

Não me fales de despedidas,
de amores que passam,
de emoções que se curam...
As vidas são lágrimas que deixam rasto
e se muram em sonhos e expectativas.
Não mereço que mintas e sintas muito.
Há evasivas que não evadem, amor.
Por favor, tivemos culpa.
Não há desculpa para horizontes rasgados.
Nem para desejos partilhados.
Amei-te e vou amar sempre,
porque nunca aprendi a desamar alguém.
Não. Não te perdoo, nem tu, não te deves perdoar nunca.
Porque não te vai acontecer mais, não assim, não comigo,
não connosco.
Haverão outros portos, outros abrigos, outras marés
a lavarem-nos os corpos de espuma e sal,
cópias do original, a entardecer a dor de dizer: Amor...
Mas não te perdoes, porque perdoar é esquecer
e eu recuso-me a morrer, ou a ser um amor bem resolvido,
esquecido, sem razão de ser...
E na minha culpa serás o eterno Inverno do meu sentir.






Sem comentários: