terça-feira, 25 de abril de 2017

...

Lembraste de como era?
Iamos sempre pela mesma rua, em silencio...
Bebíamos, sem saborear, aquilo que nos permitiam
E não pensávamos muito porque não valia a pena...
Recordas-te? Como era aceitar sem questionar?
Do cheiro da fome, dos pés descalços, dos pais analfabetos?
A vida do poucochinho, do estudar é para os ricos, do trabalho infantil?
Desditas o presente porque é bom poder dizer mal, sem ter medo---
E ainda perguntas, para que serviu?

segunda-feira, 24 de abril de 2017

PMR

Trago no colo dos lábios o sal do mar a despedir-se do teu corpo,
ainda te amo quando a maré enche e me preenche os poros de sonhos...
Fomos a banda sonora das ondas,
 uma espuma revoltada que trazia harmonia e maresia
à melodia da inocência de viver tudo num só fôlego...
Ao amor inocente tudo é permitido!
Existem castelos que a areia desconstruiu com o passar dos anos,
o meus dedos acariciam as dunas dessas construções fantasmas
e nem encontram os alicerces...
Mereces ser feliz!

quarta-feira, 19 de abril de 2017

13 Reasons Why






Amei, vi os 13 episodios quase sem respirar, precisava de saber tudo o que se tinha passado com a Hannah Baker, apaixonei-me por ela e desejei tanto, mas tanto, salva-la, será que se vai a tempo?

13 Reasons Why fala sobre o suicídio juvenil e das inseguranças dos adolescentes mas, mais que tudo, fala connosco, faz-nos questionar se estamos tão atentos, uns aos outros, como julgamos, se também poderíamos ter provocado a morte da Hannah, ou teríamos evitado que ela tivesse desistido.

Até que ponto os dramas dos outros não têm uma pitadinha do nosso tempero?

A Hannah Baker tem 17 anos, mas podia ter 30, 40, 50, 60... Aquilo que lhe acontece, acontece todos os dias, a critica, o mau juízo, o desprezo, o olhar para outro lado, o assédio...
Sofremos e provocamos "pequenas mortes" todos os dias, muitas vezes de forma inconsciente é certo, mas muitas outras de forma extremamente consciente.

Espero, honestamente, que cheguemos a tempo de salvarmos a nossa Hannah Baker.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Lágrima do céu...

O dia passou...
Perdoa-me por não o assinalar
apesar de conversar o meu pesar e a alegria contigo,
meu amigo, meu único amigo,
sem tempo marcado, ou passado.
Falo com a nossa Figueira,
vejo-a crescer e sei que entendes,
nessa maneira de entenderes tudo e alcançares
além do alcance dos demais.
Guardavas a sabedoria do Universo nos teus olhos cegos...
Sinto tantas saudades tuas,
mais ainda quando estou feliz...
Falo de ti aos teu bisnetos,
dos afectos, dos olhares, dos livros,
de amares tanto os cavalos...
Farás parte da vida deles, porque és parte de mim
e quero que eles conheçam a mãe.
Parabéns atrasados meu querido A.A.M.!