quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Hora zero.

A minha alma é uma manta de retalhos,
alinhavada em lágrimas e gargalhadas
e remendada nos erros que cometo e prometo assumir.
Não sei amar pouco ou devagar,
porque o amor não tem travão ou botão de volume.
Preciso de rir e chorar numa bipolaridade que me equilibra
porque a vida é agora e não demora muito.
Um dia não olharei para trás à procura do que perdi,
porque vivi as perdas todas e não faz sentido
lamber feridas cicatrizadas.
O tempo perdido é o que olhamos mais tarde,
enquanto os novos dias se ignoram
porque só se choram os mortos.
Não sei o que quero amanhã,
mas sei que a manhã de hoje tem o valor
que o Amor deixar.