segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Desabafos curtos (e grossos!!) #2



Do Sócrates…
Qual é a melhor maneira de esconder um tigre azul numa sala? Arranjar um elefante cor-de rosa às bolinhas amarelas!! 
Se eu acho que ele é culpado? Obviamente
Se eu acho que só ser culpado agora, que os vistos Gold andavam nas bocas de toda a gente, foi muito vantajoso para o PSD/CDS? Obviamente
Se acho que isto vai prejudicar o António Costa? Obviamente
Se acho que o Juíz é ambicioso? Obviamente
Se acho que o Juíz é corajoso? (Sim, porque abriram a caixa de Pandora e agora, com um Elefante Cor de rosa às bolas numa loja de cristais que é a máquina politica, pode haver muitos estilhaços…)
Vamos ver!

Do Papa Francisco…
A igreja católica tem neste momento o melhor relações públicas do mundo!
Se o Papa Francisco fosse contratado pela Coca-cola, neste momento todos acreditaríamos que a Coca-cola devia ser bebida à litrada e nos faria viver até aos 100 anos!
Ele é inteligente, tem charme e parece ser mesmo uma boa pessoa, o que me assusta um bocadinho, uma vez que foi eleito pelos seus pares do Vaticano...
Sabemos que algo vai realmente mal no mundo quando um Papa discursa no Parlamento Europeu e explica aos respectivos governantes da Europa o que é a democracia, qual a ideologia da União Europeia e como se aplica, numa clara lição de humanidade e de respeito pela pedra basilar do conceito...

domingo, 16 de novembro de 2014

Hoje o mundo só pesa 400g...

  



    19 dias de vida bastaram para 400 e poucos gramas de gente comover um mundo inteiro... 
A Margarida nasceu no Dubai, com 25semanas de gestação, mas esteve um pouco no colo de todos nós, ensinou-nos a ter esperança, ensinou-nos a dar luta e vencer probabilidades, ensinou-nos que somos mais do que números, estatísticas, apólices de seguradoras, ensinou-nos a sermos uns dos outros, o poder enorme da empatia...
   Hoje a pequena mas portentosa, Margarida partiu e deixou-nos mais uma lição e a missão de ajudarmos, com a nossa dor a mitigar, um pouco, a dor destes pais, entre as nossas lágrimas os pais da doce Margarida sentem-se menos sós porque os ajudamos a carregar o luto nos ombros...
   Eu acredito que somos nós que decidimos , antes de nascermos, os nossos pais e a nossa missão, a corajosa Margarida soube decidir muito bem!

Um beijo Margarida e até um dia, se Deus me der o privilégio de me cruzar contigo!

terça-feira, 4 de novembro de 2014

31 de Outubro de 2014...

    Partiste, levaste um pouco da sabedoria do mundo contigo, aquele saber que só os muitos anos trazem, aquele olhar de quem já viu muito da vida...
Partiste num dia que tinha significado para ti, não por causa de tradições de sustos e abóboras decoradas, mas porque era "Dia de Finados", o dia que nos lembra os que já partiram e que deixaram saudades e eu sei que agora este dia, para mim, será sempre teu!
   Não chorei copiosamente a tua morte, custou-me mais a tua não-vida dos últimos tempos, o olhar perdido e assustado de quem já não sabe onde pertence, intercalado com uma revolta muda de quem sempre foi autónoma e se via privado de parte da dignidade...
   Tiveste uma vida longa e muitas vezes feliz, viste nascer filhos e netos e bisnetos, deste colo a todos, um colo delicioso com aroma a  pasteis de feijão, torta de ovos, salame de chocolate e biscoitos de amêndoa!
   Adoptaste-me como neta e eu adoptei-te como avó, a minha avó Juju que guardo no coração da alma com o mesmo fervor que nos dita o sangue!

92 anos de vida... Que legado maravilhoso de humildade, rectidão e dedicação!
Quando for grande quero ser como tu, Juju! E quando nos encontrarmos outra vez, quero ter empadinhas tuas à minha espera! :))



domingo, 19 de outubro de 2014

...

O sonho é uma ilusão criteriosamente escolhida, uma mentira íntima que contamos a nós próprios,
deliciosa e inocente, como somente conseguem ser os desejos das crianças...

Escrevo as linhas ténues do meu sonho,
frágeis fragmentos de lucidez roubada,
momentos, mais nada…
Podia amar-te hoje, lamber o salitre da dor que me trazes,
perdoar sem esquecer-te…
Prefiro morder-te nos lábios…
Perpetuar o gosto do teu sangue e misturar-me contigo,
sermos o mesmo caudal da vida
E abraçarmos-nos na sorte da mesma morte.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

3 anos de Nini!!!


Parabéns meu amor, que sejas sempre muito feliz!!! :)))))))))))))))))
(bolo da avó decoração da mamã!!)

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Os alcoólicos anónimos...


A felicidade são cálices roubados ao tempo
que eu bebo para esquecer quando tento fugir da verdade...
Tantas vidas envolvidas na nossa vida...
Tantos fios que nos prendem, onde nos enleamos
porque amamos...
E a saudade é o trono sombrio onde nos sentamos e meditamos,
um dia de cada vez, outra vez e outra vez e outra vez...
O amor é sempre o presente envenenado mais desejado!
O cálice mais alcoólico deste vicio melancólico...
A verdade escondida e iludida no fundo da garrafa da vida,
antes da ressaca dura do processo de cura...



domingo, 10 de agosto de 2014

A morte do meu gigante...

O rosto era um caminho acidentado pelas rugas...
Os olhos já não sabiam olhar os outros, eram apenas câmaras de lentes difusas e confusas a tentar focar o movimento intermitente da felicidade... E eu amava-o assim, fraco e gasto, patético de tão frágil, miserável... Amava-o mais ainda do que antes, pegava-lhe ao colo e era mãe dele, enquanto ele balbuciava palavras sem frases...
Beijava-lhe o cheiro a morte e sentia-me mais tranquila por saber que em breve o seu corpo seria pó e o pó voa com o vento, é parte de toda a parte...
Queria chora-lo, sem que ele chorasse, queria devolver-lhe a dignidade que a vida lhe roubava, torna-lo uma memoria bonita em vez de uma história triste...
Quando ele morreu fiquei feliz porque mais ninguém teria pena do meu gigante...
 Ele era orgulhoso e eu sofri cada humilhação com ele, por ele...
A morte chega a todos, mas há quem morra repetidamente e eu só queria que aquela fosse a sua última vez sabendo que eu morreria pela primeira...


quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Paixão (mãetecto)...

Houvessem pétalas entre os espinhos da saudade...
Cardos perfumados que inebriassem as lágrimas...
Despedidas sofridas que fossem brevidade!
Houvessem partilhas sem a morte de alguém,
reencontro sem desencontro,
união sem quimera...
Houvessem paixões que se aquietassem sem devorar,
sonhos de despertar tranquilo,
esperanças sem  sufixo de espera...
Houvessem nós, em vez dos outros...


sábado, 2 de agosto de 2014

Pseudónimo da perda...

Existem sombras que se vestem de nós,
quando o tempo amanhece dançando no luto…
Toda a gente perde alguém, mas o vazio que fica é sempre diferente…

A dor não é transversal, é nossa, é íntima…
Tatuagem que nos ornamenta e se alimenta da nossa alma,
Ínfima parte da vida que tantas vezes a define,
Quiromancia da palma-sina que nos ensina o que é o destino…
Presente envenenado do Amor ausente.
Passado que ultrapassa o limite imposto ao tempo
e se arrasta pelo presente…

A dor não é universal, é humana.
Imperfeita, egoísta, cruel…
Caixa de Pandora deixada à sorte…
Morte minimalista,
ódio em época baixa …
Fel que nos lambe o hálito
sódio que se cola ao tremer dos lábios…
Amor a morrer à sede, que se arrasta em terra ardida…
Pseudónimo da perda que não cede, nem se gasta…
Mas é pela dor que nasce a vida!



quinta-feira, 31 de julho de 2014

Ontem foi o dia da amizade!

Diz que 30 de Julho é o dia da amizade, para mim também é o dia em que comecei a namorar com o pai dos meus babys, há 14 anos atrás! Faz sentido porque numa relação, com os seus altos e baixos, sempre fomos acima de tudo, grandes amigos! E tenho a certeza que amigos, pelo menos, sempre seremos, pelos nossos filhos mas sobretudo por nós! 

As amizades nem sempre são para sempre, tal como o Amor, algumas ficam mais tempo, outras deixam-nos precocemente porque a vida é uma linha recta repleta de curvas...

As amizades, a meu ver, não terminam, mas adoecem e às vezes chegam a ficar em estado vegetativo, porque nem sempre cuidamos delas e a negligência traz sequelas graves.
E depois a vida, sempre em transformação, muda-nos e aos outros e, tantas vezes, aquela pessoa deixa de ter qualquer ponto de identificação connosco e vice versa... É triste, mas é assim...
Sempre que encontro alguém e sinto silêncios desconfortáveis sei que aquela amizade ficou comprometida e adoeceu, se a conversa não flui é porque já pouco ou nada temos para dizer um ao outro, sinto sempre um vazio quando isso acontece, porque de facto, o lugar dessa pessoa mostrou-me que está quase vago, só resta a sombra daquela ocupação, um dia que foi passado, um pretérito perfeito, que se torna de repente imperfeito, mas não muda nada...

(Depois combina-se um café, num futuro próximo, que ambos sabemos que nunca vai chegar, mas que nos faz sentir menos tristes e mal connosco próprios, mas nos salva daquele desconforto imediato... )

Com o peso da maturidade, que é uma merda e só nos leva a graça e a alegria fácil da inocência, cansei-me mais de ser a amiga bombeira, aquela que só se chama quando há fogo ou inundação, agora quem quer colo também tem de estender o regaço, quem quer que eu lá esteja também tem de lá estar, descobri que o meu tempo é tão precioso como o tempo dos outros, a vida agitada/complicada/de correria dos outros não é desculpa para nada, a minha vida também se encaixa nesses padrões mas se eu sei fazer triagem  e arranjar maneira, os outros também o podem fazer.
 Problemas e tempo curto todos temos, a vida é efémera, sem discriminações ou parcialidades.

Não obstante amo os meus amigos, os "saudáveis" e os "doentes", apenas não gosto daquele cenário triste de solidão parecida mas não partilhada, num sentir que já não inter-age, não abraça, não nos deixa sofrer em comunhão, porque o lugar está ali mas a amizade está ausente, a respirar artificialmente, ligada às máquinas e eu não aguento vê-la definhar assim e cobardemente, afasto-me...


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Desabafos curtos (e grossos!!) #1

Em relação aos incentivos à natalidade:

Os abonos vão continuar a ser mesma M(erda)iséria.

 As creches do estado vão continuar a não ser a resposta que muitos (a grande, grande, GRANDE maioria dos) pais precisavam para ter o primeiro filho ou arriscar o segundo...
Poucas pessoas podem pagar 300 a 400 euros, despreocupadamente, para ter um filho na creche, quanto mais multiplicar estes valores por dois ou três...

A redução de carga horária vai implicar a perda de remuneração (muito) significativa, logo a maioria dos pais não poderão usufruir da mesma, ou seja é uma ficção que adorna uma pré-campanha política, nada mais! Para além de que, já sabemos, será muito mal vista e aceite pelas Empresas e em muitos casos significará a ameaça da perda de emprego, porque não há uma grande salvaguarda da aplicação deste direito.

O aumento da licença de maternidade para um ano igual ao assunto anterior, implica perda significativa de vencimento (durante um ano) e vai ser mal aceite pelas Empresas, embora neste caso haja algumas medidas pensadas para tornar o assunto, mais ou menos, exequível.

Se quisessem mesmo incentivar a natalidade, alargavam a licença para um ano com retribuição a 100%; 
aumentavam o numero de creches de estado e garantiam entrada das crianças, filhas de pais trabalhadores, a partir do 1 ano*, sendo que a mensalidade nunca deveria ultrapassar os 10% do rendimento total mensal do agregado*2;
*(A partir dos 3 anos todas as crianças deveriam ter entrada assegurada, uma vez que é a idade, recomendada, para entrada na creche, antes desta idade devia dar-se prioridade às crianças com pais no mercado de trabalho.)

*2(  1, 2, 3, 4 filhos ficaria, em termos de mensalidade de creche, sempre no mesmo valor , ou seja 10% no total e não 10%
por cada filho!) 
a redução de horário de trabalho deveria ser de 2h/dia até a criança completar os 3 anos para ambos os pais, sem qualquer perda de retribuição, (a Segurança Social ressarcia a Empresa no valor horário da ausência do Empregado mais 1%, sem obrigação a substituição do mesmo, por outrem, durante a ausência)  2h/dia até a criança completar os 10 anos para um dos pais (em exclusivo, ou alternado por mutuo acordo) com perda de 5% da retribuição, retido pela Empresa. E 4h/semana até o jovem completar 18 anos, com perda de 3% da retribuição, retido pela Empresa.
Assim sim, eram incentivos imediatos, práticos e exequíveis à natalidade.

(Gostei, no entanto, da redução de IRS e atribuição de um medico de familia a todas as grávidas, medidas que também foram anunciadas, mas isto são apenas adjuvantes ao tratamento da baixa da natalidade, meus Senhores, não curam nada, é como meter um penso rápido numa gangrena...)






quarta-feira, 4 de junho de 2014

Uma manhã bem passada!

E ontem estivemos (Eu e o meu mini-assistente)





 aqui, a apresentar "Os contos da Inês" a 50 meninos das salas de 3, 4 e 5 anos da IPSS São João de Deus,!

Foi delicioso receber o feed-back deles!
:))))

Acho que correu lindamente, com muitas gargalhadas e conversa à mistura!

Era para ler só um dos contos e acabei por ter de ler todos porque eles pediram muito! (E eu fiquei toda babada, confesso!)

Muito Obrigada meus queridos!!

sábado, 31 de maio de 2014

(A)O que o corpo sabe...

O corpo sabe caminhos que a razão desconhece...
Guia-se pela mão tremula e nervosa do instinto,
quando sinto o chão a engolir-me e a tingir-me os passos...
Os abraços são gaivotas feridas,
rumando à praia para morrer a sorver as ondas...
Aves, vidas vividas de cima, em esperanças suaves, de penas...
Não sei amar devagar, não lambo fúrias amenas,
não posso viver de memórias,
ou esquecer as peças que me constroiem e se destroiem todos os dias...
Somos puzzles frágeis que se desenlaçam sem querer...
Dizias que o Amor é para sempre?
Não.
Somente a fome nos acompanha, mais nada.
O tempo é uma manha doentia
que nos vicia nos limites do coração e nos come os sonhos...
Tudo o que temos é aquilo que o corpo sabe,
com a mesma descartabilidade e efemeridade da pele,
 que nos veste a alma e se enxovalha com a idade...


terça-feira, 20 de maio de 2014

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Das amizades instantâneas...

Não gosto de pessoas arrogantes que dizem, cheias de orgulho e com um ego maníaco:
"Não gosto muito de fazer amizades, é muito difícil ganhar um lugar na minha vida!"
Acho-as pobres de espírito e pobres do mundo...
Eu gosto de fazer novas amizades, entregar-me a pessoas novas, saboreá-las devagarinho, descobri-las! É tão bom... Não me acho boa de mais para ser amiga de alguém, muito menos me acho boa de menos...
Somos ser sociais e às vezes esquecemos-nos...
Gosto de sorrir a um estranho e por segundos sentir que partilhamos qualquer coisa, gosto de conversar e dar atenção a desconhecidos que, de repente, se sentem à vontade para partilhar um pouco (ou muito) de si...
Ontem na praia fiz um amigo...
Não será um amigo para a vida, se calhar, porque poderemos não nos voltarmos a ver... Nem sei o seu nome, porque os nomes são descartáveis quando os olhos já se apresentaram devidamente...
Ele vendia bolas de Berlim, teria uns 60 anos, no máximo, talvez, ou menos, ou mais, que interessa a idade?
Eu brincava com a Inês, corríamos as duas na praia e girávamos à beira-mar, a sentirmos o vento salgado a abraçar a nossa liberdade!
Ele parou a olhar para nós e sorriu!
Sorrimos de volta e compramos-lhe bolas de Berlim e ele falou-me da filha, da neta, de tristezas e alegrias, falou-me de uma vida preciosa que era a sua e quis partilhar comigo, connosco...
Gosto muito de fazer amizades, durem o que durarem e raramente me desiludo verdadeiramente, mas mesmo quando a desilusão acontece tudo até aquele momento foi bonito e importante e uma onda não apaga o mar...
Tenho muitos amigos porque raramente espero muito deles, as vidas dos nossos amigos e as nossas têm cursos autónomos e partilhar momentos destes deveria ser sempre um privilégio!
Sim, faço amizades facilmente!

sábado, 17 de maio de 2014

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Leave all your love and your longing behind, You can't carry it with you if you want to survive!


O peso da gravidade...

Venda-me os olhos,
cega-me a razão,
amordaça-me a sobriedade...

A escuridão do sentir abre-nos os braços,
nos espaços dos nossos passos...
Aprende a mentir ao mundo e à idade,
temos tempo...
Um segundo é um momento lento,
atento às nossas vontades...
Somos filhos bastardos do desejo...
Marginais presos em beijos roubados...
Candeeiros sombrios acesos na noite.
Castiga-me devagar...
Um açoite por cada sonho idiota...
Quero a minha cota de culpa sentida,
sorvida já fria, sem gosto,
temperada com sal e desgosto,
vazia e remendada.
Somos o nada que nos resta
e se presta ao que fomos...

Venda-me a alma,
cega-me a  esperança
amordaça-me a saudade.




quarta-feira, 16 de abril de 2014

Eu sou é uma "g'anda" maluca, é o que é...

Isto de já ter quase 40 (ainda faltam uns 10 anos, cof, cof, cof...) e ainda ter a mania que tenho 20 é tramado...
Saibam mais Aqui!
;))

terça-feira, 15 de abril de 2014

Efémero...

No início dos tempos, quando os dias ainda eram límpidos,
havia, simplesmente, o Amor...
A sua força não era uma forca que me apertava
e a dor nunca ficava para jantar e bebia um café à pressa...
Soube Amar (te), ainda sei, porque o Amor é uma bicicleta que nos ensina as pernas...
 Mas os tempos envelheceram e trouxeram rugas e fugas em frente, ou para lados diferentes...
Eu nunca gostei de tatuar passados de escombros nos ombros...
E a vida sabe acabar num dia qualquer sabendo ao pouco que sabe...
Fomos felizes se calhar, mas não calhou...
E o tempo... Mudou...
Com a nossa mudez...


quarta-feira, 9 de abril de 2014

Quid pro quo...

Acordo na noite dos dias,
há um vazio frio que me preenche às vezes...
Pudesse eu vestir-me de encontros
e calar os monstros no armário...
Aprendi a amar e esquecer que o sabia...
Gostava de encontrar-me comigo, um dia,
numa praia qualquer...
Lamber o salgado da saudade da minha pele,
enterrar-me em areia morna e exfoliar-me de ti...
Sinto falta de me ter, só para mim,
quando não existia esta agonia de ser só...

O amor tem esta estranha capacidade de nos deixar profundamente felizes e irremediavelmente angustiados...

sábado, 22 de fevereiro de 2014

E quando temos os melhores amigos do mundo...

Tudo corre bem!!! :)))

   A Inês a comer as bolachinhas das personagens do livro!

    O Guilherme que dormiu o tempo todo que nem um justo!

    A sala infantil da Biblioteca municipal "Palácio das Galveias"
    (Obrigada por nos acolherem tão bem!!)

As bolachinhas das personagens do livro!

    O espaço onde as crianças puderam brincar em segurança!

 Um momento muito especial, obrigada a todos os que estiveram presentes!

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Umas gargalhadas para acalmar o nervoso miudinho de amanhã... :)



Isto amanhã depois das 18h está ultrapassado, o que custa é a antecipação...





É já amanhã... Caraças, tão  bom!! (mas que tenho o estômago embrulhado tenho...)

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Procrastinar...



Carrego o peso dos ponteiros,
cada avançar momentâneo de um tempo fugaz,
que me faz querer inalar tudo...

Amamos os amores de amanhã,
com a esperança contida de que a vida nos guarde!

Se o futuro souber esperar, juro amar ferozmente...

Mas se o Presente tropeça na promessa de um depois,
o que temos os dois, agora?
Há uma hora para parar de adiar tudo,
respirar fundo e saborear o momento,
cá dentro, no tempo que é nosso...

 Adiamos a felicidade com a mesma intensidade que odiamos fazê-lo...

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

E hoje li isto e achei tão lindo!! :))

Depois de sofrer um acidente que o deixou em coma durante uns dias, um homem finalmente acorda e vê a esposa ao seu lado. Ela chora de alegria e agarra-lhe a mão. Ele ainda meio atordoado balbucia:
- Quando nos conhecemos na Universidade e eu passei anos e anos a chumbar exames, tu sempre estiveste a meu lado. Depois quando finalmente me licenciei e fui recusado em tantas entrevistas de trabalho, foste tu que me consolaste…
A mulher, visivelmente emocionada apertava ainda com mais força a mão do marido e ele continuou:
-Quando comecei a trabalhar naquele emprego de m*rda onde nunca me deram o meu real valor, ia para casa e eras tu que estavas lá à minha espera. Tantos obstáculos que passei na vida e tu sempre ao meu lado. E agora acordo de coma e…cá estás tu! Tenho que te dizer isto antes que seja tarde…
Ela abraça o marido, esboça um sorriso de cumplicidade e ele diz:
- Tu dás-me um azar do cara...!!!


Feliz dia do namorados!!!! ;D

(Obrigada Diana Dias pela gargalhada!!!)