sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Sem titulo 5#

 (Participação na 5ª etapa do 5º Campeonato Nacional de Poesia; Desafio: Escreva um poema dedicado à vida sem nunca usar as palavras “vida” e “existência” - e até sem usar qualquer forma do verbo “viver”. 

Princípio… Começo...Tábua rasa...
Página branca, 
onde escrevo o tempo que me marca a pele, 
mel e  fel que a sina ensina…
Ponta de compasso desenhando círculos alternativos,
em prazeres alternados e furtivos, na escolha de cada passo...
Esperança tornada doutrina,
legado dos mortos que só deixam remorsos,
ou Amor nos caminhos todos, com pedras beijadas de fresco!
Braços que não terminam nos nossos ombros e punhos que cerram...
Almas que erram e se perdoam porque lambem o sal dos olhos que magoam...
A felicidade cega a rasgar o corpo e as cicatrizes da dor mascarada de Amor e entrega… 
Metamorfoses de asas esparsas ao vento em alegorias...
Dias que contam e que morrem sem medo
porque carregam no ventre novos dias!
Fotografias... 
 Álbuns...
Momentos desenhados pelas memórias irrisórias ou inesquecíveis,
impressos no olhar de quem recorda e acorda sempre mais velho… 

Porque mais não somos que peças irresistíveis de um puzzle contador de histórias!


Classificação: 41 (0-60)  

Sem comentários: