sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Sem titulo 2#

(Participação na 2ª etapa do 5º Campeonato Nacional de Poesia; Desafio: Escreva um poema sem adjectivos

*(Ok... Este foi um suplicio... Não sabia mas sou uma "adjectivos-addicted" claro que tinha de meter os pés pelas mãos e criar algumas situações dúbias, em que não sabia bem se estava, ou não, a usar um adjectivo...)


O amor morreu.
Não teve viúvas no seu velório, não lhe trouxeram flores, não lhe escolheram o caixão…
Morreu sem chorar e sem que o chorassem.
Morreu a dormir, enrolado num cartão.
Costumava estar a pedir esmola no metro…
Às vezes cantava uma canção qualquer,
que eu nunca parei para ouvir com atenção,
enquanto lhe atirava uns trocos para a lata…
Outras vezes estava apenas, de olhos fechados,
sentado no chão,  a ouvir o ruído,
a fumar uma beata…
Tomei-o como garantido e imortal
e afinal, mal o conhecia…
Nunca o olhei nos olhos, nunca lhe aqueci as mãos,
nunca ouvi o que dizia.
Atirava-lhe  miséria e esperava que estivesse presente,
para sempre…


Classificação: 42 (0-60)

Sem comentários: