sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Outono?



Lambo o cheiro a lágrimas do sopro dos dias,
visto-me do cobre das árvores, despidas à força...
Há ferrugem espalhada pela vontade da minha saudade,
as gargalhadas são taças vazias de gelado, esquecidas pelo calor mais nobre...
Pobre de quem nunca lambeu uma lágrima,
despojado da dor da palavra Amor...
Condenado a ser Outono num mundo de Primaveras em flor...
Dono de si mesmo, ermo de si próprio,
ópio sem papoila.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

"Ser mãe é pêra doce, mas temos que ter dentes fortes!" Cronica 13 "Há mar e mar, há ir e voltar..."

  


          Os 11 meses da minha pequenicas trouxeram muitas e maravilhosas mudanças e algumas surpresas...
Conto primeiro a parte chata: A primeira virose, com direito a vómitos, diarreias e  febre, em simultâneo com mais umas dentolas, deixou a Inês em baixo de forma e sem apetite, só aceitava maminha, tudo o resto ou rejeitava ou acabava por vomitar (viva a amamentação, hip! hip! hooray!!), ficámos em casa as duas, em regime de maminha non stop, durante 3 dias, foi duro vê-la doente, claro que sabia que mais cedo ou mais tarde iria acontecer, as crianças adoecem, mas que custa muito vê-los assim, custa... E sim, é óbvio que sei que tenho sido uma privilegiada neste campo, a primeira virose  em 11 meses de existência!
Mas como não há mal que sempre dure, a seguir chegaram as tão desejadas férias!!! As primeiras ferias da nossa popotinha na praia!!! :)))
      Escolhemos como destino uma simpática urbanização no Algarve, para termos acesso a tudo (praia, piscinas, parque infantil, espaços verdes) com o mínimo esforço possível, os avós também vieram e foi a loucura completa, por ela, tenho a certeza, que podia ser sempre assim, os mimos todos juntos numa casa só, com direito a praia e piscina e baloiços todos os dias e mais do que uma vez! Andava histérica de alegria e confesso, nós também porque a felicidade pega-se, os avós então estavam nos píncaros!! :)
     O pior:
As viagens,  sobretudo para cá (porque também não nos apetecia nada regressar...) como se explica a esta (ou qualquer outra/o) baby cheia de energia e que já anda, que tem de estar sentadinha na cadeira (sim cadeira, já não cabe no ovo, agora viaja-se  de poltrona!!!) durante 2h  (que acabaram por ser 3h, porque entre  gritos e esticões e resmungos feios, tiveram que existir umas paragens para esticar pernas, passear, apanhar flores, comer iogolinos, tirar bolas das máquinas, mudar fraldas e limpar o vomito dos gatos dos meus pais) nas partes tranquilas das viagens ora dormia, ora eu tinha que ir a cantar com ela e a bater palmas e a comer bolachas  Maria (uma das gracinhas novas é fazer tudo o que lhe fazem, eu dou-lhe comida, ela dá a mim, eu penteio-a, ela penteia-me, leia-se arrepela-me os cabelos, eu lavo-lhe os  dentes, ela também pede logo a minha escova para me lavar os dentes, normalmente bate-me várias vezes com o cabo nos dentes até achar que estão bem lavadinhos!) :o)
Com tanta agitação numa singela viagem de 2h, qualquer destino que exija mais tempo de deslocação está completamente proibido até ela ter 18 anos,e apenas porque nessa altura ela já não quer passar férias connosco... :(
      As melhores recordações que ficam destas férias... Todas!!!
As gargalhadas da Inês quando acordou no primeiro dia e descobriu que os avós estavam lá a dormir... 
A forma como ela delirou quando nos viu todos juntos, com ela, dentro de agua!! 
Ouvir o meu pai a cantar a plenos pulmões e a bater palmas no meio da praia com ela, ou a comer alfarroba de empreitada porque a neta queria lhe dar papinha e eu saber que ele nem sequer gosta de alfarroba!
Ela e o pai a subirem e a descerem, tempos a fio, as escadas só porque ela aprendeu a subir e a descer e queria que fosse o pai, sempre, a explorar esta nova habilidade com ela, mesmo se ela fosse ao colo porque já estava cansada!
A nova manha que consiste em: "Se a mamã papa, então é porque é bom!" ou seja, só lhe apetece se estiver no meu prato, o que me leva a ter de arranjar mil e uma manobras para ela acreditar que  está a comer o mesmo do que eu e que o que está na colher estava no meu prato...
A minha mãe a comprar-lhe livros com bonecos para ela rasgar e mesmo assim tentar ler-lhe as histórias que cada vez tinham menos páginas...
As viagens pela piscina no seu insuflável, com o ar mais conquistador do mundo!
As tentativas infrutíferas de transportar agua no seu mini balde, sem nunca desistir apesar de entornar sempre! 
A alegria dela de comer ao ar livre, no terraço e ver pássaros, ou a Lua! 
A forma como ela diz banana e se ri a mostrar os dentes todos, porque acha um piadão à palavra que aprendeu com o avô!
Ouvi-la a rir à gargalhada enquanto está a sonhar... :)))
E tantas outras que as fotos perpetuam e me deixam milhões de saudades, mas também a certeza que a Inês amou as suas primeiras férias na praia e seguramente nós também!
Para o ano há mais!
:)))



Cronica 1 "Maminha minha melhor amiguinha!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2011/12/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 2 "Cócós uma paleta de cores!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2011/12/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_13.html

Cronica 3 "Quando até o Exorcista tem graça..."
http://www.librisscriptaest.blogspot.com/2012/01/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 4 "A Bela Adormecida ou o Hobbit!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2012/01/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_18.html

Cronica 5 "São dois cafés e um autocarro por favor!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2012/02/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 6 "Parto à la Carte!"
http://www.librisscriptaest.blogspot.com/2012/02/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_17.html

Cronica 7 “Festival da Canção 2012”
http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/03/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 8  "Os avós no pais das maravilhas!"
http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012_04_01_archive.html


Cronica 9 "Adios, adieu, auf wiedersehen, goodbye e depois do Adeus..."
http://www.librisscriptaest.blogspot.pt/2012/05/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html



Cronica 10 "A lebre e a tartaruga"
http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/06/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html



Cronica 11 "My precious..."
http://www.librisscriptaest.blogspot.pt/2012/07/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html



Cronica 12 "X-Women"
http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/08/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html




quarta-feira, 12 de setembro de 2012

No más besos al alba...


Aliteração...

Desgasta-se o gasto de gostar do desgosto...
O sol é um barco à vela acordando e ancorando nas manhãs!
A melancolia é uma bela cheia de senãos, nas vãs lágrimas de quem partiu...
Há um sabor frio na boca rouca do amor,
um paladar ingrato a pão seco, sem dar fome ou saciedade...
A saudade bailou nos teus olhos, fez pliets, petit-bas e meias pontas...
Há um eco de despedida constante num sentir inconstante
e a vida lava a roupa suja num rio qualquer, sem saber fazer as pazes...
Já não se usa amar tanto...

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Já que a má sorte assim quis...


Perfume...

A vida é um caminho estreito onde cabe um mundo inteiro…
Desde o primeiro momento passamos o tempo a aprender
que pode sempre caber mais alguém…
Tenho em mim o espaço que cabe a cada laço,
a cada sopro, a cada sonho…
E um sentir imenso que torna intenso cada fôlego…
Nunca almejei ir além de mim mesma,
ou d’outra vida qualquer…
Porque tenho um universo escrito em verso
dentro de um invólucro singelo  e frágil…
É a mortalidade que nos permite viver e amar!
Só sabemos dar valor ao que se perde, ao que acaba,
Subestimamos a fragilidade da felicidade de forma mordaz,
até que se esfuma por entre o nossos dedos, e nos veste de dores,
de saudade, de loucura e de medos…
O amor é fugaz como a brisa que perfuma as flores,
dura apenas uma vida de procura…

sábado, 1 de setembro de 2012

...



Os lábios entreabriram-se, desfolharam-se, despiram-se... A procura era uma loucura contrabalançada pela musicalidade do toque e do sonho...
O sabor chamava-se amor num eléctrico chamado desejo, onde um beijo jamais seria apenas uma palavra, ou um momento governado por carris...
O hálito era um murmúrio de promessas e juras e a saliva o lacre que as selava para a eternidade, não do tempo, mas do alento e da alma...

Apresentação do livro "Poetar Contemporâneo II"

Foto de todos os autores participantes que estiveram presentes no lançamento da obra "Poetar Contemporâneo vol.II" pela Editora Vieira da Silva!
:)