quarta-feira, 25 de abril de 2012

Lançamento do livro "Poetar Contemporâneo Vol.II"

Participo em mais este delicioso projecto das "Edições Vieira da Silva com os poemas "Quimeras" e "Inconfidências" e estarei presente no lançamento neste domingo, dia 29,pelas 16h no Hotel Real Palácio em Lisboa! :)) Gostava muito de contar com a presença de todos aqueles que seguem o meu percurso literário e o meu blog, beijinhos e até sabado!! :)))

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Fim da idade dos porquês...

Arde-me a alma no sentido lato da palavra acesa,
sobre a mesa da minha vontade repousa uma sopa de letras...
Ninguém ousa quebrar o silencio dormente que à dor mente...
A verdade doi porque nos ensina o peso da sina...
Melhor assim, o amor fugiu de mim e regressou em ondas vadias,
os dias são fardos mais leves...
Nao sei se me deves um perdão qualquer...
Talvez não...
Talvez te deva agradecer o sacrificio de me virares as costas...
Foi melhor assim?
Eu sei que não gostas de perguntas e eu nunca gostei de meias mentiras...
Há tantos caminhos numa mesma estrada, nada apaga os passos,
ou os abraços que ficaram por abraçar...
Nunca mais escutarás a minha voz,
ou uma gargalhada,
nada é para sempre, nós também não o fomos,
somos meros mortais, nada mais...
Mas o timbre de tudo será tal e qual como o recordamos!
Sem porquês ou arrependimentos...
E eu?
Eu sou feliz, porque sempre fui, mesmo nos dias tristes,
sei que existes mas não confundo as coisas...
O meu caminho agora é este,
um mundo paralelo mas igualmente belo!

Gosto! :)

segunda-feira, 16 de abril de 2012

:))))))))))))))))))))))))))))

Hoje, pelas 19h, a minha pequenicas disse pela primeira vez Mamã!!! E repetiu varias vezes!!! Mamãmamãmamãmamã!!! E depois ria-se e eu parecia uma parvinha, a rir toda contente!!!!!
Obrigada por tornares cada dia meu numa deliciosa aventura Inês, meu amor!

Oração...

Sacudo a poeira dos dias, dos dedos finos…
Por quem dobram os sinos, por quem choram os céus?
Os meus olhos cabisbaixos são viúvas sem lágrimas…
Amo a campa branca do meu sonho, ponho-me de joelhos e rezo!
Obrigada meu Deus por nem sempre me ouvires,
Tu que filtras os pedidos escondidos do amor sem te iludires,
Ou deixares comprar com velas…
Santos de cera nunca fizeram milagres…
Olha por mim por entre janelas de sopro e algodão,
Levanta-me os joelhos do chão e leva-me pela mão ao altar do meu vergar…
Agradeço-te os dias tristes porque existes para me ouvires chorar,
Agradeço-te as desilusões e as ilusões que as criaram!
Obrigada por todas as lágrimas que os meus olhos soluçaram!
Obrigada por me deixares Ser e por me dares um Ser que também é teu,
Meu céu de berço na terra que te agradeço!
Obrigada pelo tempo de espera e de esperança,
Porque a vida também é uma criança que precisa de crescer!

sábado, 7 de abril de 2012

"Ser mãe é pêra doce, mas temos que ter dentes fortes!" Crónica 8 - "Os avós no país das maravilhas!!!"

E assim se passou o tempo da licença de maternidade… Segunda-feira é o dia de voltar ao mundo real porque, num abrir e fechar de olhos, a minha pipoca já faz 6 meses no dia 12… O tempo passou tão depressa que me custa a acreditar, 5 meses de licença mais 2 períodos de 15 dias de férias (porque ainda tinha férias do ano passado) e já não me é permitido estar com ela a tempo inteiro… Não é fácil…

A Inês, apesar de mais este violento rasgão no nosso cordão umbilical, tem a sorte de ficar com os meus pais, que são completamente apaixonados por ela! Na verdade são tão doidinhos por estes 7kg de gente que a minha mãe a semana passada teve a horrorosidade de me dizer:
-Estou desejosa que vás trabalhar para eu ficar com ela o dia todo!!

O.K…. Eu engoli em seco, deu-me vontade de desatar a refilar, confesso que até senti as bochechas quentes de raiva, mas depois pensei, ainda bem que a minha mãe adora assim a minha filha! :))))

Os nossos pais modificam-se com a chegada dos netos, revelam uma faceta que nunca revelaram no exercício da parentalidade, tornam-se pequeninos outra vez, mais felizes, completamente permissivos e até chegam a ter comportamentos deliciosamente patéticos!
Se não vejamos:
A minha mãe passa o tempo a dizer:
-Ela adora-me, mal me vê ri-se toda e puxa-me logo os cabelos!

(Eu nem digo nada… LOL Mas a Inês ri-se a toda a hora para toda a gente, basta alguém sorrir para ela… E eu não acho que puxar os cabelos à minha mãe seja a forma dela demonstrar o seu afecto, mas tudo bem… LOL)

O meu pai desenvolveu um estranho dialecto para tentar comunicar com ela:
-Uh Ãh, Uh Ãh, Inhês, Uh Ãh, Avô, Uh Ãh, Inhês- Avô!!

Há dias eu até disse assim, sim Inês é o avô, tem um defeito na fala tem! Ele olha para mim a rir-se com cara de parvo todo contente e lá continuou a balbuciar aqueles sons e a olhar para ela deliciado!

(Aquilo resulta para alguma coisa porque a Inês sempre que o ouve naqueles propósitos palra imenso, cá para mim ela pensa:
-Oh avô, coitadinho… Também ainda não sabes falar? Deixa estar que eu aprendo o mais depressa possível e depois ensino-te a ti!)

Ontem a Inês teve carga reforçada, primeiro esteve com os avós paternos e depois com os meus pais, coitadinha ficou exausta… Porque eles pegam-lhe, fazem-lhe cócegas, andam com ela às cavalitas, querem vê-la a gatinhar, querem ouvir as gargalhadas dela… Roubam-na uns aos outros...

Ela adora aquela agitação toda e a atenção permanente, mas depois fica completamente K.O. e começa a chorar para eu a salvar daquela centrifugação de mimos e dar-lhe um colinho tranquilo, sem pulos, saltos, tremeliques e sons estranhos e eles ficam logo preocupados:
-O que é que se passa com ela? Está bem?! Coitadinha está a chorar…
E eu digo:
-Está só cansadota e quer dormir um bocadinho…
E eles dizem:
-Pois a menina tem de descansar tem, andas sempre na brincadeira com ela e com ela ao colo!

E eu respiro fundo, sorrio e penso que não vale a pena argumentar os avós não vão perceber, agora é o tempo de desfrutarem deste amor, desta inconsciência de amor que lhes permite ser mais tolerantes porque cabe a mim e ao pai impor as regras, este ingrato papel que lhes coube durante o tempo em que nos educaram! A eles agora apenas pertence mimar a Inês, fazer parvoíces e ajuda-la a contrariar os pais! Porque todas as crianças precisam de regras e de alguém que as permita contornar de quando em vez!


Cronica 1 "Maminha minha melhor amiguinha!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2011/12/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 2 "Cócós uma paleta de cores!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2011/12/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_13.html

Cronica 3 "Quando até o Exorcista tem graça..."
http://www.librisscriptaest.blogspot.com/2012/01/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 4 "A Bela Adormecida ou o Hobbit!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2012/01/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_18.html

Cronica 5 "São dois cafés e um autocarro por favor!"
http://librisscriptaest.blogspot.com/2012/02/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

Cronica 6 "Parto à la Carte!"
http://www.librisscriptaest.blogspot.com/2012/02/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter_17.html

Cronica 7 “Festival da Canção 2012”
http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/03/ser-mae-e-pera-doce-mas-temos-que-ter.html

terça-feira, 3 de abril de 2012

O Frango Francisco quer conhecer o mundo! (O meu terceiro conto infantil!!!)

Era uma vez um pequeno Frango catita chamado Francisco que vivia numa quinta!
Estava sempre a reclamar que não gostava de ali morar, sonhava conhecer o mundo e ser um frango viajado!

O seu pai, o Galo Edmundo ficava muito preocupado e dizia ao seu filhote:
-Francisco, meu franganote, olha que partir assim, sem saber o que encontrar é um risco muito perigoso, tens de ser cuidadoso e nunca saíres da nossa vista, quando fores maior logo partes à conquista! Nunca saias de perto de mim!

Mas o Francisco não pensava assim, nem temia risco nenhum, queria ser um frango viajante e mesmo, desobedecendo ao seu pai, tinha de levar a ideia avante, não queria esperar até ser crescido, achava que tanta espera era tempo perdido…

Num belo dia em que o Francisco estava aborrecido de passear pela quinta e o seu pai estava distraído a cacarejar em cima do galinheiro, ele decidiu correr para o portão e partir à descoberta do mundo inteiro!

Correu todo contente para o pinhal que havia em frente e ainda correu um bom bocado, mas de repente pára e olha para trás e não vê os pais nem a quinta, nem nada conhecido, o pobre franguinho ficou muito assustado, estava sozinho e perdido…

Arrependido o Francisco começa a choramingar:
-Snif, snif… Papá, mamã venham-me buscar, não sei voltar…

E o Francisco olhou, olhou, mas não via os seus pais…
E o Francisco chorou mais alto:
-SNIF…SNIF… Quero os meus pais, não fujo de pé deles nunca mais…
E olhou mas ainda não os via…

Então o Francisco soluçou ainda mais forte:
-Eu devia ter ouvido o meu papá, ele vem me avisou que partir assim era um risco… Que vai ser de mim agora? Ai que triste sorte …

E o Francisco chora, chora… Mas de repente, olha em frente e lá vinha o seu pai, também muito nervoso:
-Francisco meu filho, arranjaste um belo sarilho, que grande susto me pregaste!

-Desculpa pai, eu ter sido tão curioso e ter-te desobedecido… Tu bem me avisas-te, eu devia ter-te ouvido…
Disse o Francisco a chorar enquanto corria para o colo seguro do seu pai, que também corria para o abraçar!

-Já esta tudo bem meu franguinho, vamos ter com a mãe que também anda à tua procura, nunca mais cometas esta diabrura! Disse o pai enquanto o abraçava

-Nunca mais saio de perto de ti, nem da mãe! Hoje sei que posso esperar até ser mais crescido, tenho muito tempo de passear sozinho um dia, quando já não for franguinho! Estou muito arrependido…

O Francisco assustou-se mas aprendeu a lição e a partir desse dia quando saía da quinta, ia sempre com os seus pais, agarrados pela mão! Tinha tempo de viajar e o mundo inteiro conhecer, mas primeiro ainda tinha de crescer!


Os meus outros contos infantis:

O ratinho que queria voar...


http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/03/o-meu-primeiro-conto-infantil-o-ratinho.html

Tobias aprende a lição!

http://librisscriptaest.blogspot.pt/2012/03/tobias-aprende-uma-licao.html

Mais de 6000 visitas, muito Obrigada por me aturarem há tanto tempo! Mil beijinhos!

segunda-feira, 2 de abril de 2012

:)

Desabafo, porque já me estava a passar!

Detesto vedetismos, detesto… É que não há pachorra para aturar estas “pessoas” que de repente, de um momento para outro, se ACHAM ACIMA DOS COMUNS MORTAIS, porque escrevem não sei o quê, ou publicaram um livro qualquer, ou têm uma editora que ninguém conhece, ou gravaram um disco que ninguém ouviu ainda… O mesmo se passa com aquelas pessoas que fazem de conta que gostam muito de ler os outros só para serem lidas e comentadas, como se houvesse uma obrigação qualquer, ou um contrato…
Credo!!!…

Eu leio quem me apetece, porque gosto, ás vezes comento, outras não tenho nada a dizer, independentemente de até ter sorrido ao ler, ou ter aprendido alguma coisa e não comento, não por desprezo ou por desatenção mas porque não sou como aquelas meninas na escola da primeira fila das carteiras sempre com o dedinho no ar… Quando leio um livro também não escrevo um mail ao autor para o comentar…!...
E no entanto li o livro, certo?!


Se acham que escrevem bem, a ponto de ser comentados, tanta insegurança para quê?!

Eu escrevo porque tenho necessidade de o fazer, gosto de ser lida, óbvio, se não escrevia só para a gaveta (ou para o ficheiro…), gosto de um comentário de incentivo, quando sincero e desinteressado, mas se não me comentam, não faço disso um drama, se me leram, só por isso já devo é ficar agradecida e orgulhosa…

O autor só tem de escrever, não pode estar preocupado com quantas leituras vai ter, ou quantas visitas tem no blog, ou se a editora o vai editar e se lhe vai prestar vassalagem, porque escreve logo é um VIP intelectual… Porque ás tantas o processo criativo torna-se num prostíbulo comercial em que o autor perde o viço e torna-se um vendedor de letras dependente de atenção…

A escrita enquanto arte é uma sinergia, na qual todos os participantes representam um papel e acho que na sede estúpida e cega de um protagonismo ridículo, se esquecem que as editoras nada são sem os autores e os autores nada são sem os leitores. Os leitores, a bem da verdade, são os mais importantes, porque sem eles escrevemos para quem?? E as editoras sem os autores e os leitores publicam o quê e para quem??!

Por escrevermos umas coisas, ou publicarmos uns livritos não somos o Fernando Pessoa, a escrita deve ser uma evolução constante e a humildade é que constrói um escritor porque lhe permite evoluir e manter a sua sensibilidade criativa…

Por editarem uns livros não são a Assirio e Alvim e mesmo que fossem, Srs. Editores, respeitem os vossos autores , não nos tratem como vedetas alimentando egos ridículos, nem como descartáveis usando os nossos textos e deitando-nos fora, tratem-nos como pessoas e sejam profissionais isso basta! Revejam o vosso trabalho, evitem erros gráficos, honrem os nossos escritos e os nossos leitores, orgulhem-se com mérito de editar!

Ninguém sobrevive sozinho, mas se trabalharmos juntos com empenho e respeito podemos de facto ser merecedores do esforço que faz quem, no meio de uma crise e de dificuldades, puxa da carteira e nos compra só para ver o que temos para partilhar, ou tão somente, abre a nossa página e lê aquilo que temos para dizer, roubando tempo a si próprio e estando um pouco connosco…
Agoram digam Srs. Autores e Srs. Editores quem merece aqui protagonismo? Hum?

Agora deixem-se de merdas e trabalhem!

domingo, 1 de abril de 2012

Quem és tu? Frango Francisco?!

Um aparte... LOL (Lançamento da" Antologia de Inverno Acordando Sonhos" by: Pastelaria Studios mas também poderia ser o inicio de mais uma crónica "Ser mãe é pêra doce mas temos que ter dentes fortes...!:)))

Ok... Tinha de partilhar porque já me ri que nem uma doida, vai uma pessoa à apresentação de um livro, onde colabora com uma prosa poetica e é fotografada, nestes propositos... Sim... Lá vou eu, buscar os meus livros de mala ao ombro com o frango Francisco a espreitar... LOL
Pois, o frango Francisco (um dos bonecos da minha pequenicas, que também lá estava!!) fez questão de ficar na foto para assinalar a sua presença no evento!
Ser mãe tem destas coisas! ;))

Lançamento de Antologia de Inverno "Acordando Sonhos" by: Pastelaria Studios Editora, foi ontem!!! :))

E foi assim que saiu do forno mais um livro da Editora "Pastelaria Studios" e eu tive o enorme prazer de colaborar com uma prosa poetica!
O Lançamento foi ontem, pelas 18h30m na Fabrica Braço de Prata, em Lisboa, foi um sucesso, estava cheio de gente talentosa e simpatica e foi abrilhantado pela Teresa Queiroz que espalhou sorrisos e pelos musicos que coloriram ainda mais os nossos escritos!
:)

"Oniricismo..."
Num tempo longínquo sem tempo, nem espaço, eles amaram-se entre areias intemporais que não cabiam em ampulhetas...
Era a infância do amor e por isso, não cabia em parâmetros, nem em limites, nem neste mundo...
Fizeram juras secretas e promessas em suspiros que foram gemidos de uma conversa gestual só partilhada entre almas que se conheceram desde sempre e resistiram apenas na ânsia do reencontro...
A distância era apenas um adorno antes da nudez, existia uma consumação carnal nas palavras que elevava a mudez a prazeres multiplicados por desejos coreografados instintivamente em beijos que eram muito além-lábios, onde as línguas falavam e saciavam a mesma linguagem...
O fôlego, era o mesmo, o corpo era uma crisalida de cheiros e as almas eram uma pluralidade singular de cor chamada amor...
E confundiram-se um no outro, até a natureza não os saber distinguir ou extinguir separadamente...
Numa união que atravessa todas as vidas, morreram e renasceram milhões de vezes no abraço a que sempre pertenceram...


Nota: Onde está o Wally? Estou ali encostadinha à ombreira da porta, escondidinha!! :D