domingo, 25 de março de 2012

O passo seguinte...

A incerteza rasga-me o sorriso em gomos pequenos,
os gestos são menos que gritos e os dias comem-se
automaticamente em ritos de guerra...
Sempre vi o lado de cá do espelho,
as cores garridas, as gargalhadas doridas
dos dias felizes e desejados...
Há um conselho implicito em cada lagrima...
Uma moral que ensina que tudo o que cai quebra e dói...
(Mesmo quando me dizes que sou inquebrável...)
O tempo não se lembra de como custa esperar,
ou desejar o inadiável...
Às vezes faltam-me as forças para carregar os ponteiros às costas,
confesso...
Não peço tudo, só um pouco de cada vez,
mas já não me restam dias inteiros para coleccionar...
Dá-me apenas o dia de hoje, o meu agora, a hora presente,
o já!
Não há mais nada que me sobeje, ou falte...
A agonia virá depois,
talvez nem esteja cá para a receber...
Quem sabe?
O futuro aDeus pertence...

1 comentário:

VÓNY FERREIRA http://vonyfereeira.blogspot.com/ disse...

Excelente e belo texto Inês.
Ao teu estilo, com a qualidade que habituaste os teus leitores. Adorei.
Beijinho
Vóny Ferreira