quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Formas Envoltas…

O céu é um anjo trémulo a escorrer por entre os dedos…
Entre nuvens e sonhos sou o ar espesso que aquece os pulmões da tristeza, uma melancolia etérea, eterna na sua beleza volátil de se dispersar…
E o tempo urge, surge no esbracejar dos nossos braços, entre obstáculos de medo e aços estranhos que nos cortam às fatias…
As mãos vazias já não nos constroem e os meus moinhos de vento moem as palavras que atiramos para trás das costas, soltas e gastas pela erosão das lágrimas…
Hoje somos formas envoltas no firmamento, abraçámos os anjos e os defeitos e criámos a perfeição imperfeita do amor!
A dor descolou-se das nossas costas e deu lugar às asas do nosso desejo…
O céu é o nosso limite intempestivo e interminável...
A esperança um fôlego a soprar no nosso tempo, que cabe nos lábios de cada beijo se nos permitirmos saborear o momento furtivo e suave da liberdade que nos invade!

1 comentário:

Inês Dunas disse...

Inspirado numa tela de Izabel Cancela
:)))
Obrigada Izabel!