segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Contrações (In)voluntárias...

Os músculos são mãos fechadas,
encolhidas, contraídas,
que se inibem de tocar...
São mulheres contorcidas
com medo,
observando ao longe o prazer...
A amar aquilo que nunca entenderam...
Há um segredo nos meus olhos,
renascido no meu ventre quente,
escondido pelos sonhos que se venceram pelo cansaço...
Há um regaço à tua espera
e um abraço interminável,
que supera todas as dores...
Os amores são guerreiros de cristal...
Se caem quebram, se se pisam, cortam...
E nós capitães de Abril a cheirarmos cravos
de plástico...
Sós, no meio de uma espiral de emoções,
de cacos nas veias e anéis nos dedos...
Embalando sorrisos e projectos,
alimentando-os em seio farto,
cheios de fome...
Confiantes, como antes também fomos...
Enquanto o tempo nos come por dentro...

1 comentário:

Dany Filipa disse...

Realço:
"Há um segredo nos meus olhos,
renascido no meu ventre quente,
escondido pelos sonhos que se venceram pelo cansaço...
Há um regaço à tua espera
e um abraço interminável,
que supera todas as dores..."

Nao que todo o poema, nao seja um encanto de leitura, mas particularmente esse exertos fizeram me parar, rele-los e sorrir :)

Pois por muita tristeza, há sempre uma força cá dentro que faz superar tudo... :)