segunda-feira, 24 de outubro de 2011

As intermitências da vida...

Erguem-se os minutos, como muros embandeirados,
publicitando distancias ténues...
Há um vazio preenchido de lutos e sonhos desfeitos,
estilhaçados pelas opiniões medíocres dos outros,
provando os olhares reprovadores que trazem as dores
a cada momento...
Existem romances contrafeitos,
alugados, copiados, ou falsificados,
por memórias roubadas a casais intemporais
que morreram precocemente porque tinham experimentado
e sugado o melhor da vida...
(Não fazia sentido
descer do cume das emoções e ser banal
e acordar com mau hálito, ou envelhecer,
ou simplesmente ter falta de erecção...)
A morte pode ser o Cristo redentor do Amor...
A perfeição tem uma esperança de vida reduzida!
Não tem razão de ser, andar por cá, muito tempo,
se se achou e teve aquilo que procurámos sempre...
A cruzada termina e o soldado despe a armadura
e arruma a espada...
(O que lhe chamamos agora?)
Vivemos aquilo que a vida nos põe na mesa,
na certeza porém,
de que não adianta reclamar,
se está salgado, ou insosso,
ou existe alergia alimentar...
Ela venda-nos os olhos e obriga-nos a comer,
garfada, a garfada...
Às vezes, podemos optar pela peça de fruta...
(Para nos sentirmos a dominar alguma coisa...)
Mas foi ela quem foi a mercearia escolher tudo...
Viver não custa...
Custa aceitar viver, continuar e ser feliz!
E esta é a única sabedoria que tenho.

Sem comentários: