quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Autofobia...

Bebi-te os lábios ébrios de sonho,
amurei na tua saliva cálida,
uma e outra vez, sorvi-te...
Houve um passado que nunca quisemos,
na espuma doce das palavras que nunca dissemos...
Hoje, ponho os olhos a secar,
no estendal das minhas virtudes,
na gélida madrugada de cada adeus,
não os deixo amarrotar muito...
E se tudo fosse diferente?
Se nos encontrássemos, de frente,
que conversa de circunstância surgiria?
Falaríamos do tempo? Das rotinas?
Das sinas que escolhemos,
das pessoas,
boas ou não,
com quem partilhamos a cama
e o chão que pisamos,
no conforto cómodo de cada dia?
Não...
Seriamos apenas mais um rosto familiar
na multidão,
talvez me pedisses perdão com o olhar
e eu já nem soubesse perdoar...
Talvez sorrisses e eu olhasse para o outro lado,
ou fizéssemos de conta que não nos vimos...
Houve um passado que já passou,
um pretérito perfeito ou imperfeito
que já não faz sentido questionar,
ou lembrar,
ou viver...
Um momento findo pelo tempo
que deixou de valer a pena,
com muita pena minha...






Sem comentários: