terça-feira, 19 de julho de 2011

A teoria das cordas...

Desentrelacei-me muitas vezes,
esmiucei o meu interior à procura
de um amor que me completasse,
de uma cura milagrosa para a incompreensão...
Mas o amor não é um penso rápido impregnado
de um anti-séptico qualquer...
A solidão nasce em nós e a felicidade
tem uma chave que nos pertence...
Na verdade somos cordas independentes
que se enlaçam umas nas outras...
De comprimentos e texturas diferentes,
nascemos na mesma trave e buscamos as mesmas coisas,
desde que sejam só para nós...
Muitas vezes esgaçamos-nos, desfiamos-nos devagar,
na esperança de partilhar os nossos sonhos...
Depois, de fios soltos e frágeis, balouçamos as desilusões,
as frustrações, a indiferença que nos rasgou a força...
E descobrimos que não existem cordas iguais,
umas amam menos, outras amam mais e nunca se entrelaçam no mesmo sentido.

Sem comentários: