domingo, 10 de julho de 2011

O cronómetro...

Lambo o gotejar do tempo,
esse amiúde suave que me prende na espera da saciedade...
Humedeço os lábios cheia de sede e peço
que o tarde...
Os segundos são um delicioso oxigénio liquido,
uma saúde aparente de tranquilidade que sufoca...
Sorrio, rio, brinco com as mãos em puzzles mentais
de peças indecifráveis...
E a paciência toca-me ao de leve, quase por acaso...
Tento dormir o mais possível a ver se os dias saltam,
mas acordo constantemente a ver se estás bem...
Só quero o tempo que nos cabe, nem mais, nem menos...
Não peço tudo, nunca pedi...
E tu sossegas como se entendesses...
Aninhas-te, sonhas, cresces em vontade!
E eu mastigo mais um ponteiro de ansiedade,
numa vitória de um dia!
Um dia tudo será irrisório e já nem me vou lembrar
do tempo agarrado aos meus dentes...
Mas hoje tudo me sabe a cronómetro.

1 comentário:

Anónimo disse...

Até me vieram as lagrimazitas aos olhos...
como eu entendo este teu poema...
esta tua vitoria que vais acalçando dia apos dia.....
Esta tua preocupaçao, essa tua ansiedade, esse teu desejo...tb é de outras pessoas ...que te adoram, que te admiram e que aguardam .... :)

Vai correr tudo bem ;)
Desde o inicio que te o disse, e digo...vai ;)
ehhheehehehehe
:D

Ass. Da Tua Borboleta Sénior :)