domingo, 16 de janeiro de 2011

Porque me entristeceu...

Há dias saiu uma noticia que relatava o homicídio de um homem de 65 anos, homossexual assumido, alegadamente cometido, por um rapaz de 21. Resumo a noticia a esta frase porque, a meu ver, não está em causa quem é um e quem é outro, nem me parece de extrema relevância se são figuras publicas ou não.
O que acho sim, importante, frisar é que o alegado homicida confessou ter espancado a vitima durante uma hora com pontapés e murros e ainda ter usado um saca-rolhas para lhe mutilar um olho e os genitais.
Compreendo, obviamente, que a família e os amigos do rapaz o tentem defender, proteger e até mesmo ilibar. Por muito horrendo e bárbaro que tenha sido, alegadamente, o acto deste rapaz é normal que existam pessoas que o amem e o vejam (ou não consigam sequer ver ou imaginar) para além do crime. E jamais seria leviana para tentar imaginar que faria eu se estivesse no lugar daquela mãe, ou daquela irmã, logo não me cabe, de forma alguma criticar, ou julgar a sua determinação.
O que me entristeceu, de facto, foi aperceber-me, em virtude deste crime, que ainda existe tanta homofobia e tanto ódio gratuito...
Tenho assistido a comentários de pessoas, que afirmam que a morte foi merecida, não pela vitima ser, eventualmente, má pessoa, mas por ser homossexual...
Pensava eu, na minha ridícula inocência, que a evolução nos tinha ensinado alguma coisa e que a idade das trevas, onde se atiravam pessoas para as fogueiras por terem convicções diferentes, estava longe...
Afinal as trevas mantêm-se e a ignorância e intolerância também...
Eu, heterossexual assumida, confesso-me chocada e envergonhada...
Mais, perdoem-me os susceptíveis, mas acho que tanto ódio, em muitos casos, só pode significar que há muita gente a reprimir os seus instintos e que vivem mal consigo próprios, porque já dizia o ditado, quem não deve não teme...

Sem comentários: