domingo, 9 de janeiro de 2011

Óleo sobre tela, pastel sobre papel...

As sombras dos nossos desejos
são um estojo de maquilhagem...
Adornam a imagem alva do tempo
e tingem de sonhos quem passa...
O mundo é uma tela de Rembrandt,
alternando o oleo e o pastel,
num retratismo paisagístico de almas em argamassa,
prontas a ser esculpidas por um beijo de Bandinelli!
O nosso brilho depende apenas da incisão da luz,
a esperança é um pincel que nos toca e embeleza...
Não há a certeza de um mata-borrão que nos emende,
nem de uma moldura que nos prenda numa parede intemporal...
Só temos um quadro, onde pintamos o nosso caminho...
Podemos misturar as cores, o purpura das paixões,
o celeste dos sonhos, o cobre do nosso chão...
Ou então fazer um abstracto cheio de amarelos e roxos
que nos surpreendam de aventuras...
Mas no fim, fica a obra singular de nós proprios...
Aquela que nunca se repete, numa tela sem copia...
Num cavalete onde nunca mais nascerá outra igual...

O meu corpo é um cavalete sem tela,
à espera que nasça arte, na parte vazia que me falta...

Sem comentários: