quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

E morreram infelizes para sempre...

A princesa era um sonho mordido por dentro...
O poder daquele som ecoava dentro dela devorando-lhe as ilusões e mastigando-lhe os sentimentos...

Sim...

Uma palavra que mudara a percepção de toda a realidade que acreditara pisar... Uma afirmação simples que lhe mostrava o inevitável, aquele nunca fora o seu conto de fadas...
Os príncipes das historias nascem mortos sem saberem... Porque só vivem nas mentiras que adornam os vestidos das princesas... E hoje ela era uma borboleta nua, sem vestidos...

Sim...

E a seguir o silêncio das ruínas do seu amor... Aquele amor que nunca foi seu, nem nunca a quis amar, só a sorvia em golos breves e entre cortados por uma realidade gelada...
A princesa sentiu uma dor que a vestiu de vidros... Não articulou palavra, nem respirou sequer... Sabia que merecia ouvir aquela confiança a destruí-la, convicta do território que era seu, mostrando-lhe que a princesa pequenina trespassava solo alheio...
A dor, roubou-lhe a cor do vestido, arrancou-lhe as rendas, desfez-lhe os laços... A pele dela amareleceu, os olhos eram rios sem brilho, o coração esqueceu-se de bater e o sangue gelou-lhe mesquinho nas veias...
Morria sem saber o que era morte, porque nunca tinha morrido antes...
Merecia morrer assim...

Afinal os contos de fadas não merecem finais felizes.

Sem comentários: