segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Nenufar...

E ela nasceu, assim...
No seio de um botão de rosa qualquer, com um perfume próprio e terno e nas costas duas asas decalcadas por um sonho imenso...
Abraçou o mundo com o primeiro sorriso, embriagada por esperanças de linho em mantilhas de inocência...
Nos olhos duas crisálidas de brilho esvoaçando utopias, nos lábios gargalhadas rodando saias e na alma um nenúfar de profundidade à espera de se deixar descobrir!

1 comentário:

Dany Filipa disse...

e voar...
;-)

suave
terno
:)

sempre bom te ler

kiss