segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Castelo de água...

Ela desenhava rostos no sombreado das gotas da chuva, cada gota guardava os lábios que tinham ficado por beijar, os traços não tocados, desencontrados dos seus...
A chuva escorria dela em nascente temperada, entre dor, amor e um nada que não se define...
Naufragavam escunas nos seus sonhos de portos distantes que perderam a bússola em hálitos de sal...
Os olhos eram faróis que iluminavam caminhos perdidos de aguas escuras, num anormal iluminismo de esperança...
Ao longe, erguido o castelo erigido por povos apaixonados que ainda assim precisavam de torres para protegerem almas frágeis...
E haviam pontes elevadiças que oscilavam nas batidas mortiças de um peito desfeito.
E haviam bandeiras que eram ligaduras que abraçavam feridas sangradas de desilusões e fraquezas incompreensíveis...
Na pedra da sua intemporalidade gravado o nome do seu nome que era a pertença de todo o teu ser e a maldição do seu sentir...
E a erosão que se vergava ao império de um sonho perfeito feito para ser lenda que teimava em ser apenas desejo desmembrado pelo medo...
E ela desenhava os rostos alheia às intempéries que em serie descompassadas e implacáveis de acontecimentos a tornavam cascata em agonia...
Um dia talvez os rostos tomassem forma e se soltassem do seu castelo de água...

2 comentários:

Dany Filipa disse...

Dor
amor
sonhos desfeitos
mas ainda a crença

--

"A chuva escorria dela em nascente temperada, entre dor, amor e um nada que não se define... " - e doi!!

"Um dia talvez os rostos tomassem forma e se soltassem do seu castelo de água... "

foi como se me visse, eu mesma fosse, este "Ela"

triste
mas
SUAVE
BELO!!!!
:-)

Beijokaaaaaaaa

Lírio Lilas disse...

Olá, minha querida Libris,

Um belo escrito, como de antemão sei que vou encontrar sempre ao ler-te. Um desabafo lacrimejante de um eu lírico numa sequência de desilusões, e a conclusão sintetizada na rica metáfora "Castelos de água"!
Minha querida, percorramos sempre os castelos, até porque são de água: límpida, fresca, inocente como é a espontaneidade da criança...

Querida,
Um beijo enorme para ti.
Lila.