terça-feira, 24 de agosto de 2010

Sonambulismo...

Há um murmúrio desconfortável
que assola o tempo que se isola de fresco,
num mercurio venenoso de termometro que se partiu,
porque caiu no chão,
com o qual as crianças brincam a juntar gotas de morte...
Tenho medo de eleva(dores) porque sobem as escadas
mais depressa do que eu
e as descem como eu descia
quando as saltava em lances
e o embate do chão
me sabia a conquista quando estremeciam os predios
debaixo do eco dos meus pés...
Mas os elevadores elevam-se até onde quero subir
e eu tenho de deixar a porta fechar se quero ir...
Conto os pisos...
Um...
Dois...
Três...
Quatro...
E aquela musica de Vivaldi
que fala de quatro estações amarrotadas
num piano pardacento, amorfo e monocórdico
deixam-me ainda mais ansiosa e nervosa
pela claustrofobia da minha caixa...
E chego...
Lá em cima ainda existem andaimes
e açaimes de mim,
naquele piso coberto por plásticos,
de sofás que nunca foram repouso de ninguém...
E o medo vem me esperar à porta,
tinha estado a dormir e ainda tem ramelas nos olhos...
E eu sacudo o pó dos plasticos,
discretamente, com a palma da mão,
enquanto o medo lava os dentes à pressa...
E tomamos o pequeno-almoço juntos,
falamos do lixo à porta da inveja,
dos cães da saudade que mijam na escada...
Do ódio que rega as flores e molha os parapeitos das janelas
de toda a gente...
Da paixão que faz amor de persianas levantadas e nos olha de soslaio...
E caio...
Em mim, por entre pisos de sonhos...
E acordo nos meus braços porque os teus, ficaram la...

Sem comentários: