sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Calor...

Despiu-se, devagar...
A roupa deslizava pelo corpo como uma caricia lânguida...
A lã da camisola esticava os braços para abraçar-lhe o pescoço delicado, sussurrando-lhe um elogio atrevido, em tom baixo, ao ouvido...
Percorreu a linha do queixo em tom provocador, subiu ao lábio inferior,lambeu e provou cada milímetro do seu cetim antes de se aventurar a subir ao segundo piso, a língua dela, por pouco não veio espreitar à porta... Tornou-se venda, tapou-lhe os olhos, enquanto a obrigava a elevar os braços presos, numa submissão bela... Amarrou-lhe os cabelos como elástico, só para os ver depois cair novamente pelas costas a baixo, lentamente...
A camisa abria os lábios para poder despedir-se dos seios dela, beijou-os demoradamente, os mamilos rosa ergueram-se como troféus, autorizando a passagem até à fronteira dos ombros, onde passou o testemunho aos dedos invejosos do privilégio dos lábios... Não havia pressa na despedida, os dedos de tecido deslizavam quase sem tocar na pele, como uma cocega cruel e ao mesmo tempo doce... Passeou-se como uma pluma nas suas costas, fazendo-a arrepiar pelo seu toque frio e delicado... Desceu-lhe dos ombros agarrando-lhe nos braços com as duas mãos, percorrendo aquele caminho numa decisão lasciva mas subtil de entrelaçar depois, as suas mãos firmes, nas mãos dela q eram finas como penas...

Sem comentários: